Estou finalizando um processo de coaching de saúde, e agora estou pensando em como foi essa experiência.

Procurei uma coaching porque eu gostaria de parar de tomar anticoncepcional, e eu não tinha nenhum tipo de apoio médico em relação a isso. A proposta é que através da alimentação, eu conseguisse tratar alguns sintomas.

Eu não tinha nenhum efeito colateral aparente em relação ao medicamento, decidi parar por não querer ser dependente de nada, por conhecer os riscos que ele oferece, e o que pesou mais na minha decisão foi saber, após uma consulta, que teria muita dificuldade em engravidar, que teria que fazer um tratamento hormonal.

A primeira parte do coaching foi ótima, com um aprendizado muito grande. A segunda já começou a ficar complicada. Comecei a ter muitos problemas de saúde, um atrás do outro, minha saúde emocional também não está nada bem.

Achei a experiência muito válida, mas preciso de um tempo para refletir sobre todo esse processo. Fiquei com a impressão que tudo que eu preciso fazer para conseguir seguir bem sem o anticoncepcional, é ter uma vida que eu não tenho.

Acho que cheguei num nível muito bom no coaching, e mesmo assim não consigo lidar com as todas as coisas que eu deveria fazer. São muitas regrinhas em relação à alimentação, e percebi que criei uma relação medicamentosa com a comida, que me faz absurdamente mal. Minha autoestima está muito afetada. Por causa da parada do remédio, emagreci bastante e tenho me achado muito feia.

Pode ser uma fase de transição, mas está bem difícil. Eu amo cozinhar, mas cozinhar porque eu não consigo comer fora de casa, é um problema. Eu acho ótimo comer outras opções de alimentos, mas não porque não posso comer vários outros. Eu não quero ficar 24 horas do dia pensando nas minhas emoções, nos sinais, nos sintomas. Talvez eu reconsidere a decisão sobre a pílula. O que eu preciso é ser feliz, me medicando ou não.