Essa semana fui na Bienal do Livro. Não tinha intenção de fazer alguma compra, era mais para dar um passeio mesmo.

Em relação à Bienal 2014, e as diferenças eram gritantes. Várias editoras que gosto não estavam lá e a presença de grandes empresas foi bem expressivas. Vários estantes gigantes de empresas como Saraiva, Submarino, Itaú, além de vários estantes de revistas. Em tenho algumas restrições em relação a esses grupos estarem na Bienal do Livro, mas acho que a grande questão é que, ao estarem lá ocupando tanto espaço, muitas outras empresas pequenas ficam sem espaço.

Outra questão é que, eu pelo menos, sempre vou a esses eventos buscando coisas diferentes, que não tenho acesso todos os dias. Aí lá vou eu ver as coisas de sempre, que encontro na entrada de qualquer livraria.

Ou então, ver fotos gigantes de livros de Youtubers, de artistas, etc, e não encontrar livros de outros tipos. A questão é que toda escolha implica em abstenções, e nesse caso, o que caiu fora foi o que tenho interesse.

Talvez eu dê uma chance para a Bienal 2018, mas acredito que pelo movimento das próprias livrarias, já terei uma perspectiva do que teremos, e poderei avaliar se vale a pena ou não ir.