Cada dia que passa eu fico mais chorona. Chorei muito quando as Olimpíadas acabaram e muitas vezes nos jogos e encerramento das Paralimpíadas.

Como diz o chuchu, os atletas só precisam de um motivo. E nós muitas vezes só precisamos de uma desculpa. Foi lindo assistir todo dia exemplos de superação e perceber que o ser humano é muito adaptável, com um grande potencial de aprendizado, mesmo em situações muito adversas. Aqueles atletas tinham vários motivos, mas eles escolheram não baixar a cabeça, acreditaram e se superaram.

Parece bem bobo, mas lembro desses atletas nas pequenas coisas. Quando estou correndo, sinto uma dorzinha e começo a reclamar internamente, lembro dos maratonistas cegos de 42km. Quando bate aquela preguiça de levantar, lembro dos atletas de basquete em cadeira de rodas que se deslocam, batendo bola e empurrando a própria cadeira. No final das contas, tudo parece muito pequeno perto do instituto de sobrevivência desses heróis, que fazem muito mais que muita gente.

Pra finalizar, tem um texto que o Chuchu escreveu, para sempre lermos:

“Ao assistir a abertura das Paralimpíadas no Rio, não pude deixar de reconhecer a força desses atletas. Eles não ganham rios de dinheiro, reconhecimento da mídia ou da população. Não sabemos quem são. Nem quantas medalhas ganharam. Além das dificuldades diárias que o mundo dá, ainda conseguem treinar em alto nível. Existem os que não praticam esportes e também enfrentam o mundo. Os preconceitos, as piadas, a falta de acessibilidade. São tão vencedores quanto os atletas.

Fica aqui a reflexão que devemos fazer tudo que podemos. Devemos isso a Deus. Temos tudo que precisamos pra fazer muitas coisas que não fazemos. Vamos esquecer as desculpas e lembrar dessas pessoas e sua luta diária.

Vamos ser mais. Sempre mais. Por Deus, por eles e por nós. “