Depois de um breve hiato, estamos retornando às atividades! ^^

Bom, eu gostaria de recomeçar o blog com uma reflexão sobre a obrigatoriedade em se terminar uma leitura. Existem pontos a favor e contra em se terminar uma leitura que não está fluindo bem. Se por um lado, uma leitura mais rebuscada e difícil pode exigir maior dedicação, sendo uma escada para leituras cada vez mais profundas, por outro, pode ser uma perda de tempo, já que há tantos livros no mundo para serem lidos, e tão pouco tempo.

Um dos livros que selecionei para o Desafio Livrada! 2016 é o Idiota, do Dostoiévski, na categoria um livro russo. Está sendo uma leitura muito truncada, muitas vezes irritante. Deixei o livro descansando por um tempo, li outras coisas no intervalo e agora, decidi retornar à leitura. Li alguns livros difíceis nesse intervalo, e a leitura do Idiota se tornou um pouco mais fácil, mas para o meu gosto, ainda muito chata. Então comecei a pensar se esse esforço valeria a pena.

Há algum tempo, comecei a leitura do livro Comunicação Não-Violenta, de Marshall Rosenberg. Na época, perdi a paciência, pois achei o livro muito metódico, não via muita funcionalidade na prática. Mas o tempo passa, nós mudamos, e com a ajuda de algumas aulas sobre Resiliência, alguma dedicação ao autoconhecimento, a visão muda. Por alguma razão, decidi voltar a lê-lo do começo, e tenho achado o livro fantástico. Tudo que antes eu achava blasé, agora me parece totalmente coerente.

Então percebi que cada livro tem um tempo, porque nós mudamos, todos os dias. Se eu forçar uma leitura até o fim, e aquele livro não for o adequado para aquele momento da minha vida, vou criar tanta birra, que provavelmente não darei uma segunda chance para ele. E essa segunda chance, no momento certo, pode fazer toda a diferença.

Vou dar um novo tempo para O Idiota. Ele ficará guardadinho na minha estante, para uma próxima tentativa. Não quer dizer que eu vá necessariamente gostar, mas talvez as coisas façam mais sentido. Talvez a bagagem que eu irei adquirir durante a vida me faça perceber detalhes no livro que o tornarão um livro importante, e não um livro que eu li apenas porque me senti na obrigação de terminá-lo.

Estava com bastante saudade de escrever por aqui, obrigada por ler.