O desenvolvimento pessoal é essencial, eu sei. Não sei você, mas fico um pouco entendiada com a perspectiva que esse assunto é discutido. Você sempre tem algo que precisa ser mudado, pois é algo ruim (ruim para os padrões de alguém que talvez nem seja você mesmo) e para solucioná-lo, você pode fazer esse curso aqui, sensacional, por apenas dez parcelas de…. Se você está aqui, quer dizer que usa a Internet, então, sabe do que eu estou falando. Mas podemos nos enxergar de um outro ponto de vista.

Não seria bacana perceber que as nossas características nos tornam nós mesmos, e que talvez seja só o contexto que seja inadequado? Vou exemplificar com um exemplo sobre mim, e um sobre o chuchu.

O chuchu é uma pessoa extremamente flexível. Conseguiu mudar muitos hábitos significativos na vida dele, num curto espaço de tempo. Há dois anos, ele comia nuggets. Agora, come quiabo e acha uma delícia. Não é ótimo? Quantas vezes não lutamos pra mudar um hábito ruim?

Mas o chuchu também é uma pessoa que tem dificuldade de dar tempo às coisas. Se testa algo num dia, e não dá muito certo, já quer tentar outra coisa imediatamente. E talvez só tenha feito o teste em um dia ruim, não quer dizer que tenha dado errado. Às vezes precisamos só dar tempo pra coisa começar a andar, e ele não faz isso.

Percebe que o primeiro exemplo pode ser visto como versatilidade, e o segundo como falta de persistência, mas na verdade, se trata de uma mesma característica? O chuchu é maleável, mas dependendo do contexto, essa característica não é tão interessante. Então ao invés de tentar melhorar essa suposta falta de persistência, não seria mais legal pensar que só não é a melhor hora de usar essa característica fantástica, que faz tão bem para ele em vários momentos?

Meu exemplo agora. Eu sou uma pessoa metódica. Faço tudo quadradinho, não funciono muito bem sem planejamento, horários, check-lists. Quantas pessoas não querem ser mais organizadas? Mas às vezes as coisas não saem como eu gostaria, o que SEMPRE vai acontecer na vida, e eu simplesmente surto. Não consigo agir fora dos meus planos. E se eu acreditar que a organização é um problema que eu preciso corrigir? Não seria mais bacana lembrar que talvez, eu só preciso ficar tranquila? Que não preciso seguir um roteiro o tempo todo?

Não seria legal lembrar que não somos seres completos, e que podemos ser muito melhores com auxílio de outras pessoas? Que o chuchu pode continuar sendo maleável, e que quando ele estiver meio perdido, eu, a pessoa organizada, posso lembrá-lo que ele precisa parar e retomar o plano? E que quando eu surtar, o chuchu, pessoa maleável, me manda tirar um cochilo e relaxar? Não é ótimo não precisar ser perfeito? Não é ótimo deixar as pessoas nos oferecerem seu melhor?