Estou finalizando os preparativos para as viagens de férias 2015/2016. Tenho prestado muita atenção ao tipo de turista que eu sou, quais minhas necessidades, atividades preferidas, etc. Comecei a viajar sozinha em 2011, e desde lá, tive muitas flutuações a respeito de viagens. Eu tinha muita dificuldade em gostar das viagens que eu tinha feito, e quando ia contar pra alguém, acabava dando muita ênfase aos contratempos. Por causa disso, acabei me obrigando a fazer um tipo de turismo que não tinha nada a ver comigo.

Existe uma linha de pensamento entre os blogueiros de viagens, que falam da diferença entre o turista e o viajante, exaltando, é claro, o viajante. Bem, concluí que eu não sou uma viajante, e não há problema algum nisso. O importante é fazer algo que você se sinta bem fazendo. Pensando nisso, farei uma série de posts refletindo sobre minhas viagens, principalmente as que fiz sozinha, já que foram as mais difíceis. Isso também será um arquivo de referência para mim, quando estiver prestes a viajar para um outro lugar, afim de evitar os mesmos erros.

Em julho de 2014 fui para a Colômbia, Cartagena e Bogotá. Foi uma viagem curta, de cinco dias, mas foram dias muito difíceis. Poucos dias antes, meus pais e eu fomos assaltados em casa, ficamos reféns por alguns minutos, e foi muito traumático. Eu estava em vésperas de viagem, e meus documentos foram levados, meus cartões de crédito, celular, muitas coisas que usaria na viagem. A princípio eu não queria mais ir, mas minha minha família achou que era importante, até para me distrair, já que eu tinha ficado muito assustada.

A Colômbia tem uma fama complicada, devido aos noticiários sobre guerrilhas e narcotráfico. Mas todos os blogs que eu li me diziam que era um lugar super seguro, super tranquilo, que toda essa história era passado. Bem, mais ou menos. Tudo depende do que você entende por segurança. Por exemplo, o que representaria mais segurança para você: morar numa casa, num local tranquilo, onde você se sinta seguro porque o local te passa essa segurança, ou se sentir seguro porque tem três militares na sua porta, te protegendo? Bem, para mim, é a primeira opção. Esse é o ponto da Colômbia, principalmente em Bogotá. O país é “seguro” porque tem muitos militares e policiais, em todos os cantos. Esse clima me deixou muito angustiada, ainda mais, porque acabava de ter passado por uma experiência violenta traumática.

Foi uma das viagens que me fez suspeitar sobre as avaliações em blogs. As pessoas são muito diferentes. Se o blog é do tipo “viajante”, eu já sei que dificilmente teremos pontos de vista semelhantes. Os viajantes são muito desapegados, muito aventureiros. E eu demorei pra perceber que eu não sou assim, e principalmente, que não tem problema não ser assim.

Outro ponto que comecei a perceber, são as minhas demandas energéticas. Desde criança tenho problemas com museus. Até desmaiei em um deles. Meu pai já fez alguns cursos de museologia, e parece que essas questões de energia em museus são reais. E eu sou muito sensível a ambientes, muito. As viagens sempre demandam uma energia minha muito grande, tanto que sempre preciso de alguns dias para voltar ao normal, pós-viagem. E aí, o que eu faço? Já estava mal, querendo voltar pra casa, e em Bogotá eu vou a pelo menos, quatro museus, em dois dias. Imagina a minha situação. Até as minhas fotos demonstram como eu estava mal. Todo mundo que vê minhas fotos em Bogotá comentam que eu parecia triste.

Último ponto: alimentação. Tenho lido muito sobre assunto, e percebido no meu cotidiano como a alimentação influencia no meu estado de ânimo. E eu adoro comida colombiana, desde que ela seja feita no Brasil. Não fui com a cara dos restaurantes perto de onde eu fiquei hospedada, acabei comendo mais lanches, o que quer dizer que não estava nutrida, e portanto, com o ânimo lá em baixo.
Resumo: Em viagens, se eu quiser ir museus, preciso ir em poucos e com um bom intervalo de tempo entre eles. Alimente-se bem, é fundamental. E, cuidado com avaliações de blogs. Antes de comprar a ideia de alguém, tente perceber se a pessoa parece ter as mesmas preferências que você.