“Ah, então você é natureba?”, foi o que eu ouvi após dizer que queria uma sobrancelha bem natural e que não queria fazer o buço.

Eu não me considero super natureba, mas gostaria muito de ser e tenho trabalhado muito para isso. Mas achei curioso ouvir esse questionamento por não querer fazer alguns procedimentos estéticos.

O máximo que uso de maquiagem é o conjunto lápis de olho/delineador/rímel. Mas até isso tenho evitado, após fazer alguns procedimentos médicos nos olhos que me deixaram traumatizada e com muita agonia de fazer qualquer coisa neles. Percebi o quanto me sinto mal em sair de casa sem estar com os olhos maquiados.

Eu gosto de maquiagem, já fiz dois workshops, vi vários vídeos no Youtube, mas desisti por não ter muita habilidade manual e por ter decidido investir meu tempo em outras atividades.

O combo “você é natureba” + desconforto em sair de casa sem maquiar os olhos me levou a algumas reflexões. Embora eu ache maquiagem  uma coisa muito bacana, se eu me sinto mal por não estar com ela, deve ser indicativo que algo está meio estranho.

Estou num processo de construção de autoestima muito intenso e quero me sentir bonita, sem que exista nenhum pré-requisito. Sair do padrão só me sinto bonita se estou maquiada, ou se meu cabelo está num jeito X ou se, se, se. A autoestima não é algo linear, um objetivo que pode ser alcançado e depois tudo será perfeito. É um processo cheio de dúvidas e de  dias em que nada faz nos sentir bem. Talvez o estranho seja tratar a autoestima como algo inquestionável.

Sentir-se bonita sem nenhum pré-requisito não é lucrativo. É ótimo para os negócios que você só se sinta bonita se estiver maquiada, magra, impecável. Ser natureba é um ato político. É dizer não às imposições, e ser preso somente ao que você escolher estar preso. Por isso o processo de autoconhecimento é tão necessário. Toda vez que agimos e pensamos de forma automática, estamos nos deixando levar por alguma ideologia.

E a resposta ao “você é natureba” é: se ser natureba é me recusar a seguir imposições, sem que seja de meu livre consentimento, sou sim.